27 de ago de 2009

Marketing, Cultura, Globalização e Sucesso: o Aroma do Café Starbucks

Não é de hoje que o café faz parte do cotidiano dos brasileiros. Na realidade, este produto faz parte da história da formação econômica do Brasil, tornando-se ao final do século XIX e início do século XX, o grande impulsionador do desenvolvimento do país, perdendo seu poder apenas em 1929, com a crise financeira. Os grãos eram o principal produto de exportação do país, que espalhou pelo mundo um produto fortemente apreciado não somente pela nobreza, mas por todas as pessoas de uma maneira geral.


Contudo, o que nem todo mundo sabe é que o café não foi importante somente para os países exportadores, como o caso do Brasil. Este produto tornou-se essencial para Howard Schultz, presidente da Starbucks – a maior rede de cafeterias do mundo. Em 1982, em uma simples cafeteria de Seattle, nos Estados Unidos, o então gerente de uma fornecedora de máquinas de café viu sua vida se transformar, ao sentir o aroma de um bom café e ao observar as caixas estrangeiras dos grãos que estavam empilhadas do outro lado do balcão da pequenina Starbucks. Aquela sensação fez com que Howard entrasse de cabeça no negócio, adquirindo-o mais tarde com o auxílio de alguns investidores.


O executivo passou, então, a trabalhar firme na criação de um novo conceito para sua loja. Por mais que o café já fosse um grande diferencial, o produto ainda não era suficiente para atrair clientes, ainda mais nos Estados Unidos, que já desenvolvia seu american way of life baseado na onda dos fast-foods. Contudo, isso tudo mudou em uma viagem de Howard para Milão. Na Itália, o empresário encantou-se com os bares de café expresso, que chamavam a atenção por seu charme, sua cultura e popularidade. A partir disso, a loja Starbucks começou a ganhar os traços iniciais da sua fama, que foi impulsionada pelos lattes e mochas, nunca antes provados em Seattle, tampouco no restante dos EUA.


Hoje, a rede Starbucks preza pelo conceito de ser a “terceira” na vida de todos. Terceira por se situar depois da casa e do trabalho de cada um, tornando-se um lugar propício para encontros, reuniões, momentos descontraídos, descanso, reflexão ou para simplesmente tomar um bom café. Atualmente existem 15 mil lojas, espalhadas em 44 países, oferecendo em qualquer um destes, um ambiente bastante acolhedor. Em qualquer um destes, justamente porque a loja que se encontra nos Estados Unidos tem a mesma “cara” da loja que se encontra no Brasil, no Japão ou na França.


A internacionalização da marca seguiu os moldes básicos da internacionalização de qualquer outra empresa: o mercado interno já estava saturado e, buscando novas alternativas de lucro, a rede Starbucks apostou na expansão para o mercado externo, inicialmente para o leste asiático, posteriormente para América Latina, Europa e Oriente Médio. A ousadia foi além, com o serviço de café da marca nos voos da United Airlines.


Porém, a internacionalização da marca Starbucks teve que se adequar às necessidades de cada país. No Brasil, por exemplo, foi acrescido no cardápio o famoso pão de queijo e os muffins salgados, além de um sistema de processamento de grãos para café expresso diferenciado, que recebeu o nome de “Brasil Blend”, tudo para atrair os clientes do maior produtor e segundo maior consumidor mundial de café. Hoje existem dez lojas Starbucks no país, todas na capital paulista.


Fica evidente que para a rede Starbucks tornar-se a quarta marca mais influente no mundo, Howard Schultz e sua equipe tiveram que observar tendências particulares dos países, com a finalidade de unir toda a gama cultural necessária para fornecer aos clientes o mesmo tratamento fornecido nas lojas americanas. A criatividade, por si só, não teria sido suficiente, se não fosse a capacidade de empreendedorismo dos executivos, somada ao processo de globalização dos países.


Entretanto, a globalização também teve seu lado ruim para a empresa. A crise financeira que se instalou no ano passado e seguiu neste ano fez com que o lucro caísse bastante, fazendo com que os diretores entrassem em alerta. Para solucionar este problema, medidas eficientes e diretas foram aplicadas. Em primeiro lugar, Howard Schultz criou o cargo de principal executivo de criação, cujo trabalho é repensar o ambiente das lojas. Em segundo lugar, demitiu 220 funcionários de diversas áreas e fechou outras 380 vagas abertas nos Estados Unidos. Posteriormente, comprou a fabricante das máquinas Clover, uma das favoritas dos amantes de café. Ele também tirou do cardápio da Starbucks uma linha de sanduíches quentes, servidos no café da manhã, visto que os consumidores reclamavam que as lojas ficavam com cheiro de lanchonete de fast food. Além disso, passou a investir em um canal de fidelidade dos clientes. No exterior, as lojas Starbucks também tiveram que se adequar, e a palavra de ordem foi "cresçam!".


Mas o principal passo foi a criação de um blog para receber sugestões e críticas de consumidores, que são comentadas por executivos da rede. Esta inovação é, sem dúvidas, a maior de todas, adequando-se a uma sociedade que se moderniza a cada dia.


O que mais me agrada nas lojas Starbucks é a incrível sensação de conforto. Quem já experimentou tomar um bom café e bater um papo, sentado em uma daquelas poltronas ou sofás, ouvindo um bom pop-rock ambiente, sabe do que estou falando. Cafeteria americana de bairro + grãos de café estrangeiros + charme italiano + uma boa pitada de criatividade e empreendedorismo + cultura + globalização = um dos cases de maior sucesso de toda a história dos negócios.


Escrito por: Denis Araujo

10 de ago de 2009

Bem-Vindo?

Ano da França no Brasil. Confesso que, como muitos brasileiros, não procurei saber o porquê deste ano ser considerado assim, porém resolvi aproveitar um dos diversos eventos culturais que estão sendo promovidos, ou seja, o melhor deles: o cinema.


Não sou um grande fã dos filmes franceses. Uma fotografia quase sempre fria, movimentos demorados, falas longas, que fazem com que o filme ganhe um ritmo bem lento. Sem dúvidas isto acontece com o filme “Bem-Vindo”, porém de maneira menos explícita. Na realidade, o que chama a atenção no filme são os detalhes da travessia de imigrantes clandestinos pela Europa, uma realidade que vai além das telas.


A União Européia cria leis cada vez mais duras, para evitar que imigrantes ilegais cheguem ao continente. O alvo destes sempre são os países mais desenvolvidos, como Inglaterra, França, Alemanha e Espanha. A maior parte destes viajantes é de origem africana e, principalmente, do Oriente Médio. A grande reclamação dos residentes legais destes países é que os imigrantes ocupam parcela significativa dos empregos dos países, fazendo com que muitos nativos fiquem sem emprego ou tenham que disputar emprego com os viajantes. E a justificativa principal dos ilegais é que precisam arrumar um trabalho melhor remunerado para enviar dinheiro às suas famílias, além do bem-estar social que podem alcançar.


Recomendo o filme, principalmente pelos detalhes dos problemas dos imigrantes. Viajam escondidos em caminhões, passam frio, fome, e muitos deles morrem na travessia. E um deles, no desejo de encontrar sua amada na Inglaterra, resolve treinar para atravessar o Canal da Mancha a nado visto que, se para entrar na França ele quase perde a vida, imagina o que aconteceria para chegar em Londres? Talvez nadar não seja a melhor alternativa, mesmo. Provavelmente ele poderia desistir e ficar em um lugar melhor. Mas como não poderia de ser, o filme precisou de um tempero maior para fugir da lentidão dos filmes franceses.


Somam-se a isso as diferenças culturais e o preconceito no continente europeu. O governo, sempre rígido, recomenda que os estabelecimentos fiquem atentos aos “diferentes”. E qualquer indivíduo europeu que ajudar algum imigrante ilegal será punido com a lei européia. Ou seja, jamais ajude seu semelhante na Europa, ou será julgado como qualquer outro criminoso.


Escrito por: Denis Araujo

4 de ago de 2009

Boa Noite Vizinhança!

Que o Brasil é o país do futebol todos sabemos. Que o Brasil possui o maior território da América Latina, a maior parte da população também sabe. Porém o que muitos não sabem é que o país nem sempre foi esse vizinho bondoso que temos visto ultimamente. Na realidade, a situação do país frente à nova ordem mundial que se configura neste momento praticamente de pós-crise financeira é o que define se somos, ou não, bons vizinhos na América do Sul.


Mas afinal, qual a relação que existe entre a crise financeira mundial e a boa vizinhança continental? É algo simples de se estabelecer. Quando o terremoto na economia global começou, todos os países poderosos estavam em alerta vermelho, e os países de economia emergente, por sua vez, não queriam testemunhar a queda de seus grandes parceiros comerciais, logo obviamente todos desmoronariam. Porém dentre estes, alguns se destacaram, como foi o caso da China, da Índia e, no nosso caso, o Brasil. Banco Central, Ministério da Fazenda e presidente Lula previram, juntos, que o país sairia da crise mais fortalecido, mesmo sofrendo alguns abalos bastante perceptíveis.


Nos anos AC (Antes da Crise), o Brasil almejava obter um importante destaque no continente, se consolidando como a grande potência da região. Os vizinhos, em contra partida, olhavam com desconfiança. Paraguai, motivado pelos problemas de Itaipu e dos Brasiguaios, tratava os brasileiros com certo ar de inferioridade, chegando a taxar-nos de imperialistas. Bolívia ainda tinha muito que discutir com o governo brasileiro sobre o fornecimento de gás, para não sair perdendo nessa corrida pelo poder. Argentinos e mexicanos não somente deixavam para lá essa história de “Brasil Potência”, como também lutavam pelo título de liderança continental.


Vivendo a crise, nossos vizinhos passaram a nos ver de maneira mais especial, deixando as diferenças de lado e querendo agarrar na saia do Brasil para não sofrerem tanto. Os principais jornais dos países que compõem o MERCOSUL falavam o tempo todo sobre a importância de se firmar parcerias com o Brasil, visto que este possuía o maior potencial de sair fortalecido da crise.


Agora estamos vivendo um momento quase que DC (Depois da Crise). Alguns reflexos ainda existem, mas é notório o poder de recuperação do país. Essa recuperação traz à tona toda a ambição que o país tem de começar a ditar um pouco mais as regras do jogo. Deixar o país no caminho do topo da pirâmide é a maior ambição do presidente Lula neste final de mandato e isso ele já está fazendo. Os problemas sociais internos obviamente existem e espero que veja esse quadro se alterar cada vez mais, porém vejo que o Brasil finalmente ganhou um destaque mais visível nas relações internacionais como um todo.


E a política da boa vizinhança é o maior instrumento que o governo tem nas mãos. Estreitar as relações com os Estados Unidos e Europa, manter boa relação com os países asiáticos, realizar importantes e inovadores acordos com países africanos, transformar as relações Sul-Sul em um importante canal de desenvolvimento e, principalmente, consolidar as relações entre os países latino-americanos, especialmente os sul-americanos, em todos os aspectos, são algumas das atitudes que o Brasil está tomando e que certamente prosseguirá executando.


Não considero um erro grave o acordo feito recentemente entre o governo paraguaio e o brasileiro. O Brasil aceitou pagar praticamente três vezes mais o que pagava para obter a energia gerada em Itaipu, e o consumidor brasileiro é quem está reclamando, visto que é o verdadeiro pagador desta dívida. Contudo, pior erro seria manter este grave problema bilateral sem resolução. A boa vizinhança se faz assim: eu te dou uma xícara de açúcar, você me dá uma colher de sal e ambos esperamos que nossa relação permaneça amigável, para o caso de necessitar ajuda novamente.


Escrito por: Denis Araujo