13 de jun de 2008

Quando não sabemos em qual dia estamos (ou a qual pertencemos)...

Dia 12 de Junho. Engraçado como eu resolvi postar apenas no dia 13. Sexta-feira 13, dia de reflexões, dia da família, dia de paz, amor, harmonia... Sim, caro leitor, você não leu errado. É estranho, eu sei, mas quer dizer então que quando passa o Dia dos Namorados você se esquece que ama a pessoa amada no dia 13 seguinte e nos próximos dias?

Já presenteou sua (seu) namorada(o)? Não? Pois esqueça as preocupações, você pode presentear outro dia. Natal, por exemplo. Ninguém nasceu nesse dia, logo é uma perfeita oportunidade para comprar uma lembrança para seus entes queridos. As lojas estão sempre lotadas, oferecendo produtos a preços módicos, com 55 suaves prestações, sem juros, o que é melhor ainda! Com certeza você poderá comprar aquele celular que ela estava de olho, ou aquele aparelho de dvd multifuncional que ele desejava. Caso nenhuma das opções agrade, ainda restam as flores e os cartões perfumados, mas isso fica pra depois. Fazer o próprio presente nem pensar! Artesanato, escrever, pintar... Nossa, pensar nisso já provoca certos arrepios.

É realmente bom ganhar presentes nos dias felizes da vida. É exatamente como segue o diálogo:

- Puxa, obrigado filhão, era exatamente o relógio que eu queria!

- De nada pai. Parabéns pelo seu dia.

Seu dia? Vamos fazer o seguinte no Dia dos Pais: escolha 364 dias do ano pra você, filho, e para seu pai escolha um só. Ele fará o mesmo, afinal Dia das Crianças é apenas um, o que naturalmente não deveria existir já que Nossa Senhora Aparecida jamais fora exclusivamente padroeira dos indivíduos com menos de doze anos de idade.

Quantos de nós dizemos “eu te amo, pai”, “eu te amo, mãe”, “eu te amo, irmã (o)”, “meu amor, eu te amo!” ? Tudo bem, ainda restam todos os outros dias do ano. Mas por que deixar de demonstrar o que sentimos nestas datas tão especiais? Ah não, esqueci! O perfume que ganhei já vem escrito no verso da embalagem

Ingredients: Alcohol denat., Aqua (Water), Parfum (Fragrance), Linalool, Limonene, C.I. 42090 (Blue 1), TE AMO MUITO MEU AMOR, Geraniol, Carboxaldehyde...

O que quero dizer com tudo isso? Simples: o presente material é maravilhoso, mas melhor ainda é quando ele é acompanhado de um presente sentimental e carinhoso. Vamos deixar de ser materialistas algumas vezes. Sei que a vida que levamos hoje não permite que tenhamos atitudes imateriais, mas jamais devemos esquecer o que carregam todos esses presentes: o carinho, o amor, a amizade.

Os últimos românticos ainda existem. Caprichem, então, na maneira de presentear a quem se ama. Mas não faça isso apenas no dia 12 de Junho. Todo dia é o dia do amor, dia dos namorados, dia dos pais, das mães, etc.

E se você, caro(a) leitor(a), não possuir namorada (o), amizades coloridas, companhias e afins nos mais infinitos Dias destinados ao amor, não se sinta mal. Quem disse que 12 de Junho é dia deles, e não de vocês? Vá ver um filme, vá ler um livro, destine esse dia para cozinhar, limpar o guarda-roupas, jogar video-game, sair com os amigos... O dia é seu também, quero ver quem vai te proibir! Músicas que falam de romance estão aí todos os dias, filmes românticos estão presentes em nossas vidas há muito tempo, não há porque descontar a raiva nestes itens tão simples. E se um carro de Loucuras de Amor parar na porta do seu vizinho, aplauda quando tiver que aplaudir, se omita quando tiver que se omitir mas, mais do que isso, dê risada porque você não foi vítima de tamanha crueldade!

Como já diria nosso amigo Gandhi: "Um covarde é incapaz de demonstrar amor; Isso é privilégio dos corajosos" ... E ele disse isso há um tempo, infelizmente este mesmo tempo enfraqueceu sua frase. Mas o significado está aí, podendo ser interpretado das mais variadas formas.

Apenas não vá pular de bungee jump ou paraquédas, a menos que você seja um perito na área.

Para os mais tradicionais, um "eu te amo" já está de bom tamanho!

E fiquem calmos: se Jason aparecer no dia de hoje com flores à sua porta, fique feliz! Pode ser um amor perdido, ou apenas um doido varrido.

6 de jun de 2008

Quando nos tornamos coadjuvantes de nós mesmos...

A vida é assim. Ela passa pelos nossos olhos de tal forma que nem percebemos. Ela é dura, ela é sofrida. Mas ela é vivida, o que a torna intensa e passível de valer a pena viver. Tantos que vivem de forma precária, tantos que dificilmente possuem o que comer. Mas são estes tantos que lutam a cada dia. Estes sim devem viver de verdade. Afinal, quem de nós sabe o que significa viver?

Acordo cedo. O sol nem nasceu e eu já estou pronto para sair de casa. Tomo meu café diário e vejo na televisão as notícias que estarão estampadas em todas as capas de jornais. Vejo na televisão cenas alegres e tristes, em uma manhã igual aquela de ontem e anteontem. Pego meu transporte de todos os dias e atravesso a cidade em busca de meus objetivos. Vejo pintadas de cinza-concreto as imagens da cidade umas vezes mais movimentada, outras vezes mais caótica, mas sempre igual. Todo dia eu faço tudo sempre igual, não é somente ela que acorda na canção e o faz também. Não somos únicos, todos nós acordamos e seguimos a nossa rotina, que nos faz ser quem somos. Entretanto não creio que todos sabem a dor e a delícia de ser o que é, afinal nem todos sabem o quanto pode valer a pena lutar pela vida e faze-la valer a pena. Nem todos sabem o valor da vida. Que desperdício!

O que faz você feliz? Seja o pão com manteiga, seja a alegria de um bom dia. Quantos de nós já paramos pra pensar nesta simples pergunta? Muitas vezes seguimos uma rotina tão intensa que esquecemos de nós mesmos. O mundo em que vivemos não permite que tenhamos uma tal liberdade de viver, afinal vivemos sempre seguindo a canção. Caminhamos e cantamos conforme a música. Trabalhamos, estudamos e damos o máximo de nós mesmos para conseguir uma boa vida ou atingir este objetivo. Chegamos em casa exaustos e o que mais queremos é um banho quente, um jantar e uma cama confortável. Acordamos na manhã seguinte e vemos as notícias que serão publicadas com a mesma atenção dos dias anteriores. Mas quantos de nós realmente nos envolvemos com isso? Afinal, quantos de nós elegemos aquele governante que, de fato, atende nossas necessidades? É hora de esquecer a vontade coletiva. Somos únicos, somos especiais, somos quem somos porque assim nascemos e assim devemos viver.

A vida é assim. Lutamos cada vez mais para que ela melhore. Fácil não é. Mas lutamos. A vida é valiosa demais para deixarmos que ela passe pelos nossos olhos. O ator principal dessa vida sou eu, não quero ser coadjuvante e passar quase que desapercebido. Quero fazer acontecer. E não quero que essa vontade se encerre em mim. Quero que as próximas gerações também o façam, que vivam da melhor maneira possível. Justamente, honrosamente, alegremente e, principalmente, com muito esforço e coragem. Coragem de escolher, coragem de lutar, coragem de reclamar.

Apenas não quero dizer futuramente que no meu tempo as coisas eram diferentes. No meu tempo não existe... Meu tempo é agora. Prazer vida, é hora de viver.