26 de abr de 2009

O Brasil de Hoje Não é por Acaso

Meados dos anos 90. O Brasil encontrava-se numa séria conturbação econômica. O modelo neoliberal do governo permanecia forte. As privatizações surgiam como válvula de escape, uma nova moeda e um novo plano financeiro se instalava. O desemprego, as taxas de pobreza e as denúncias de corrupção eram constantes. Na agenda de política externa, os Estados Unidos dominavam diversos tópicos. Politicamente, um jovem político iniciou a década no poder, este que passou à um senhor que pouco tempo ficou na cadeira da presidência e que poucos anos depois foi substituído por um velho sociólogo, possivelmente um teórico brasileiro das relações internacionais e que seguiu na contramão do modelo estatal de desenvolvimento.

Agora estamos no final da primeira década do século XXI, esta que logo mais passaremos a chamar de “anos 10”. A crise financeira derruba as taxas de crescimento econômico do mundo inteiro. O FMI e o Banco Mundial a todo momento divulgam novos dados e novas medidas de combate à este monstro econômico. As principais economias globais passam por sérios problemas de desemprego, desabitação, falta de crédito e liquidez, além da natural perda da hegemonia no sistema internacional. E enquanto isso, o Brasil (mesmo tendo seus problemas) passa a chamar cada vez mais atenção no cenário mundial. Mas esse fato não é por acaso.

Estamos chegando na metade do ano de 2009. Hoje o país experimenta apenas a beirada deste prato recheado chamado “crise”, sabendo que possivelmente não atingirá este recheio tortuoso. Sofremos redução no crescimento, nas taxas de emprego e nas linhas de crédito bancário? Sem dúvidas. Porém, esta redução foi muito menor do que aquela que as grandes potências sofreram e sofrem. O Brasil, hoje, está muito mais forte, favorecido principalmente pelo forte laço existente entre Estado e economia. Não é uma coincidência o fato de que a todo o momento mencionam que nosso país será um dos primeiros a sair desta crise e será um dos mais fortalecidos deste momento em diante. Além disso, o país representa uma capacidade de liderança nunca antes imaginada. E este fato também não é por acaso.

A estabilidade política em que se encontra o governo brasileiro é um marco não somente para a nossa própria história, mas para a história de toda a América do Sul e para todos os países chamados “emergentes”. A conceituada revista americana Newsweek fez um comentário bastante pertinente em sua publicação internacional desta semana: ”O Brasil vem se transformando na última década em uma potência regional única, ao se tornar uma sólida democracia de livre mercado, uma rara ilha de estabilidade em uma região conturbada e governada pelo Estado de direito ao invés dos caprichos dos autocratas”. E se antes havia uma provável disputa hegemônica na América Latina entre brasileiros, argentinos e mexicanos, hoje o que restam são apenas resquícios de richas históricas.

O Brasil é, mais do que nunca, um líder regional. E afirmo isso baseado não somente nas notícias publicadas recentemente na cobertura das grandes cúpulas e reuniões das potências mundiais, como também o que se percebe nos jornais dos países que compõem o Mercosul. Mesmo existindo certas desavenças com os paraguaios (Itaipú, Brasiguaios etc), até estes apontam nosso país como importante parceiro para sair desta crise. E assim o fazem argentinos, uruguaios, além dos membros associados Bolívia e até mesmo certos representantes venezuelanos.

O mais interessante é como o Brasil de Lula conseguiu, ao longo dos anos, mudar sua posição de aliado incondicional dos EUA para estrategista multilateral. Neorealisticamente falando, o país provou por A mas B que é possível acumular poder sem ser pela via bélica. Como citou a revista Newsweek: “(...) o poder do Brasil vem não de armas, mas de seu imenso estoque de recursos, incluindo petróleo e gás, metais, soja e carne". Além disso, o papel do Itamaraty foi fundamental para transformar o país em um dos grandes influentes no contexto internacional em diversos temas, somando-se a isso o fato do Brasil ter se tornado importante mediador dos conflitos de ideais entre grandes potências e gigantes emergentes, principalmente no que se diz respeito a agenda econômica e agrícola internacional. E o presidente Lula, por sua vez, tornou-se figura de grandiosa representação, sendo tratado como o ator “gente boa” das relações internacionais.

Independente das críticas, da vocação e da opinião política de cada um, me apoio nos comentários de importantes professores que tive e que tenho em minha formação. Estes mencionam o fato de que o bom estadista é aquele que sabe recuperar os danos da gestão anterior e dar continuidade aos pontos positivos da mesma. E isso Lula tem feito. Além disso, a projeção internacional que o Brasil assumiu foi conquistada pela figura presidencial e por seus acessores, todos inseridos no momento certo e na hora exata destas fortes conturbações mundiais.

O presidente atual não poderá mais se candidatar nas eleições do ano que vem, como manda a constituição brasileira. Dúvidas acerca dos candidatos à presidência do Brasil existem e hoje o eleitorado brasileiro aparenta estar muito mais maduro. A pergunta que fica é: “Onde será que vamos parar?”, se é que pararemos.


Escrito por: Denis Araujo

4 de abr de 2009

Projeções de Um Fim Não Muito Distante

Doze de dezembro de 2012, data que muitos estipulam ser o fim da humanidade no planeta - como os dinossauros, estes que desapareceram de forma surpreendente, há 65 milhões de anos atrás, deixando-nos um fator histórico um tanto quanto mórbido. Fatalmente não viveremos o suficiente comemorar nosso aniversário de cento e sessenta e oito milhões de anos na Terra, como os mesmos o fizeram, tão pouco precisaríamos de um meteóro com proporções astronomicas para colocarmos um fim à nossa odisséia. Para analistas e pesquisadores do cenário atual é simples: basta que continuemos nosso processo evolutivo, ou será que poderiamos chamar de autodestruição?

Todas as religões presentes nessa “odisséia” humana tentaram de certa forma “prever” o apocalipse, colocando o foco na nossa imoralidade constante. O dia do juizo final presente nos livros sagrados e escrituras seria a grande semelhança inexorável dessas teologias. Quando ainda éramos politeístas, já existia a idéia da presença pecaminosa do homem provocando a ira dos Deuses. Na mesma época, construia-se templos aos oráculos - seres capazes de prever o futuro e que ganharam notoriedade ao relatarem conquistas antes mesmo delas acontecerem; na China, sua história conta que a dinastia Shang se deu por uma predição, no oriente deu-se com a previsão do nascimento de um messias, mas entre estas o fim dos tempos era constantemente alertada pelos próprios oráculos.

Mas por que 2012? Isto é, inúmeras teorias já foram apresentadas antes quanto ao fim do mundo em uma determinada data, mas ainda estamos aqui, não estamos? O marco inicial desta teoria foi a descoberta da civilização Maia – sociedade altamente desenvolvida com três mil anos de história, sendo esta, ao contrário do que todos pensam ,ainda existentes hoje em dia, com dialetos da língua original. Tendo uma ligação direta com os astros, os quais construiram templos e observatórios de acordo com a interpretação maia das órbitas das estrelas, tais visões chegavam perto do campo da ciência, diferente dos oráculos vistos anteriormente. Ao ser interpretada, o famoso calendário apresentava uma diversa lista de possíveis previsões feitas por eles. Mas eis que referente ao ano de 2012 nada fora escrito, como um espaço vago que esta sociedade deixou, fazendo-nos criar teses e questões, as quais de fato não passaram de especulações por não apresentarem algo concreto, pois o mesmo espaço “vazio” poderia ser entendido de diversas maneiras.

O fim ou um recomeço na civilização humana – duas possíveis interpretações, a extinção humana ou seria uma simbologia referente a uma nova era no planeta, seria ela climática ou social? Os questionamentos não param, mas é visível que o caos dos tempos atuais nos leva a olhar com certa restrição e até mesmo céticos pensam duas vezes ao questionar tal profecia.

Nossa visão nos trouxe uma grande incerteza acerca do futuro pós crise mundial (isto se conseguirmos sair dela). Sim, caros leitores, sei que este assunto lhes causam “enxaqueca”, devido a grande representatividade na mídia e casos de desemprego que não param de crescer.

Assim como as emissões de carbono na atmosfera, os pacotes assinados pelas super potências também não param de ser emitidos no sistema financeiro - ações trilionárias para ajudar nesta situação até então nunca vista anteriormente, mesmo aquela dada em 1929, em que o número de suícidios aumentaram significativamente.

Em terras brasileiras perdemos gradualmente aquilo que muitos consideram como grande jardim tropical do mundo – Amazônia está perdendo seu verde para ganharmos um futuro “negro” com o mar avançando cada vez mais. A reforma agrária já se tornara então assunto de utópicos, a crescente produção de soja e cana de açúcar nos leva a indagar até que o ponto lucro vale mais do que pessoas?.

O Oriente Médio luta para se estabilizar neste sistema ocidental, conflitos, ataques terroristas e petróleo interagem entre sí, resultando no ódio. Bem e mal não existe mais, apenas os que sobrevivem à este caos.

Na Ásia, a China faz um grande papel como alternativa econômica, mas sofrem como todos a escassez de oferta de emprego, revivenciando uma queda vista apenas trinta anos atrás, quando a mesma sofria de fome e tão pouco era vista como a super potência de hoje. A premissa de não reduzir suas emissões de lixo sendo estas jogadas no ar, no mar ou em terra, as quais neste quesito não lhes dão diferencial algum perante aos Estados Unidos, deixando-nos a seguinte questão: é possível sua tecnologia ser tão avançada para combater o lixo de sua crescente população? E os baixos salários, assim como a falta de emprego, serão estas eficientes para aquecer sua economia perante a crise?.

Em contrapartida, os indivíduos destes Estados tornam-se cada vez mais dependentes das drogas, menos confiantes, mortos de fome e sem ar de qualidade pra respirar, metaforicamente presos em um frasco como insetos esperando o último suspiro se exaurir pelos pulmões. Sendo mais pessimista, nossa situação é pior, visto que insetos não possuem a consciência de que o fim está próximo.

Estando certos os Maias, isto nos daria menos de dois anos para resolvermos quetões tão complexas, mas confiante de que sou, gostaria de deixar um desafio aos leitores. Se descobrissem hoje que é verdadeira a tese de que o mundo vai acabar antes da copa de 2014, quais problemas ao menos tentariam resolver neste meio tempo? - Viver intensamente em pról individual ou de todos, sairia pelas ruas, esperaria o fim como de fato um inseto? Ou outra alternativa?


Escrito por: Filipe Matheus